22 11

Passear com seu cão deveria ser uma atividade rotineira. Apesar disso, mesmo que seja de pequeno porte e superamigável, nada de deixar a coleira de lado. Esse objeto ajuda a conduzir o animal e evita acidentes, seja com outros pets ou algo mais grave, como um atropelamento.

Mas como escolher esse acessório? Será que existe um modelo ideal ou você deve focar no que se adapta ao seu pet? O melhor é investir na guia com peitoral ou a tradicional coleira no pescoço, apenas adicionando a cordinha para segurar e guiar o cão? Confira as dicas e descubra mais sobre o mundo das coleiras!

Tipos de coleira

O peitoral é, sem dúvida, a opção mais desejada pelos tutores de cães preocupados com o bem-estar de seus animais de estimação. Ele elimina a preocupação de que o cão possa estar se enforcando durante os passeios. Este acessório é projetado para envolver o peito do animal e deve ser fechado, preferencialmente, no terceiro furo, garantindo um ajuste confortável.

Além disso, é fundamental que haja cerca de um dedo de folga na região do peito para evitar qualquer desconforto ou machucados no amigo peludo. Atualmente, o modelo de coleira peitoral em formato de “H” é altamente recomendado devido ao seu design que proporciona uma distribuição uniforme da pressão, minimizando qualquer desconforto ao cão durante os passeios.

Peitoral

É a mais desejada pelos tutores, por tirar a impressão de que o cão possa estar se enforcando. Ela fica presa no peitoral do animal e deve ser fechada ao menos no terceiro furo, sem contar que, na região do peito, deve ter um dedo de folga para não machucar seu amigo. Hoje, a coleira peitoral em H é a mais indicada.

Coleira plana tradicional

A clássica coleira de pescoço, também conhecida como “coleira plana tradicional”, já não é vista com bons olhos pelos tutores de cães devido a algumas desvantagens. Em primeiro lugar, ela pode ser menos segura, pois alguns cães conseguem escapar dela com facilidade.

Além disso, se a coleira estiver muito apertada, pode dar a impressão de que está enforcando e causando desconforto ao animal de estimação. Essa coleira ainda é recomendada para a fixação de plaquinhas de identificação, mas não é a escolha ideal para passeios regulares.

Guia unificada

A guia unificada é uma alternativa interessante que lembra o antigo enforcador, porém, em vez de ser feita de metal, é confeccionada em tecido. Ela é projetada para fornecer um travamento seguro na região do pescoço do cão, sem causar danos ou desconforto.

É especialmente recomendada para cães de médio e grande porte e é amplamente utilizada em treinamentos. Além de evitar fugas, essa guia é prática, pois se ajusta ao pescoço do cão de forma segura, permitindo um controle mais eficaz durante os passeios.

Cabresto

O cabresto é um tipo de acessório que envolve tanto o pescoço quanto o focinho do cão. Ele é frequentemente utilizado em treinamentos para ensinar o animal a não pular em outras pessoas e, durante os passeios, orienta o cão a andar ao lado do tutor, seguindo o ritmo determinado por este. No entanto, é importante notar que a adaptação do cão ao cabresto pode exigir paciência e treinamento gradual, pois nem todos os animais se acostumam facilmente a essa abordagem.

Escolher o acessório certo para o seu cão depende de vários fatores, incluindo o porte do animal, seu comportamento e as necessidades específicas. É sempre aconselhável consultar um veterinário ou um profissional de treinamento de cães para obter orientações sobre qual acessório atenderá melhor às necessidades do seu companheiro de quatro patas.

O que considerar ao comprar uma coleira ou guia

Antes de sair às compras, é importante considerar alguns fatores que vão determinar qual é a melhor coleira para seu cão. Se possível, leve o animal para experimentar ou traga os modelos para casa, a fim de testar como ficam nele. Além disso:

  • observe se o modelo fica confortável, nem muito frouxo, nem muito apertado;

  • verifique se o material do acessório é resistente;

  • confirme se a regulagem da coleira ou guia é a ideal.

Outra dica é observar a adaptação do cão com a coleira escolhida. Deixe que ele teste o modelo em casa e, se perceber que continua desconfortável, procure outra opção.

Qual o jeito certo de segurar a coleira ou a guia

Um erro muito comum dos tutores é a forma de segurar a guia ou coleira. Em muitos casos, ela se rompe ou o pet escapa por descuido do proprietário e não porque é o modelo errado para o cão. Você não deve segurar na alça, fechando a mão com força.

Aquela alça foi feita para passar a sua mão por dentro e ficar acomodada na altura do pulso. A mão segura então em uma parte do fio da coleira ou guia. Isso ajuda a dar mais firmeza, seja para controlar o passeio ou puxar o animal, caso seja necessário.

Adicione seu comentário